fbpx

Blog

A organização de rotina para crianças com autismo

rotina-para-criancas-autistas

 

Para a maior parte dos pais, inserir na rotina das crianças a organização da casa é um desafio. Para pais de crianças autistas, é também necessário adaptar essas demandas às demandas das crianças. Claro que isso não significa que a criança não deve ajudar em casa. Pelo contrário, é muito importante que se estabeleçam hábitos de organização, tanto pessoal quanto do ambiente deles.

No entanto, é importante observar que as crianças autistas, têm algumas dificuldades cognitivas, que são, efeitos do autismo. Nem sempre são as mesmas, já que o autismo é um espectro. Mas existem fatores em comum que podem causar sensibilidade nas crianças. E muitos deles aparecem na hora de organizar as coisas.

 

Rotina que estabeleça previsibilidade para a criança com TEA

 

Então, o primeiro passo é ensinar a criança a importância de se ter uma organização. Crianças autistas se beneficiam de um sistema bem estruturado. Então, saber onde estão suas coisas, em que ordem as tarefas devem ser feitas  e como será o cronograma do dia, além de ajudar na organização, é muito benéfico para a saúde mental dessa criança. Lembre-se, tenha em mente que os pais podem e devem ajudá-la a manter essa rotina em dia.

Dependendo da idade da criança e da sua proximidade com a linguagem verbal, é possível inserir listas de afazeres, como imagens e adesivos que possam representar cada tarefa. Já para as tarefas da escola é importante que a criança tenha tudo facilitado para ela quando chega em casa. Então, pastas coloridas e marcadores são formas divertidas e agradáveis de manter. Os itens separados até que sejam utilizados. Dessa forma, o processo de organização acaba sendo menos exaustivo e a criança não precisa buscar em todos os seus pertences por um item específico.

Por exemplo, quando a criança recebe folhas de tarefas de casa na escola, se ela se mistura com outros materiais, pode ficar perdida até a última hora. Nessa situação, qualquer criança, mas, especialmente, as crianças, autistas, reagem com irritabilidade e frustração de ter que fazer algo fora da rotina. Se a atividade ficar bem demarcada e bem guardada, ela entra de forma mais fácil na lista de atividades do dia.

 

Entendendo a dinâmica dos espaços de casa

 

Para dentro de casa, os pais também podem se utilizar de sistemas que facilitem a organização. Deixar bem claro qual tarefa é de qual membro da família, evitar listas complicadas de múltiplos passos e garantir linguagem simples e direta é de grande ajuda. Dessa forma, a comunicação entre o que é necessário ser feito e o que a criança entende o que deve fazer, fica mais simples. 

Ou seja, nada de dizer, “limpe o banheiro”, mas sim “lembre de passar pano na pia e não deixar restos de sabonete no box”. Por exemplo, é mais adequado para uma criança, que tenha dificuldade de entender linguagens não literais, que ela deve, primeiro, guardar seus brinquedos, e depois fechar a porta do armário, do que o comando “deixa este quarto em ordem”, que pode ser muito desafiador. O processo dela envolve entender as demandas para então saber por onde começar.

 

rotina-para-criancas-com-autismo-tea-autista

 

Incluir a criança com autismo nas tarefas aumenta sua autonomia

 

É importante frisar que todos têm responsabilidades em casa. Ainda que algumas tarefas sejam mais agradáveis que outras, é importante para o desenvolvimento de qualquer criança que ela entenda que viver em família, ou viver em grupos, significa dividir, obrigações.

Portanto, os pais também devem se envolver nas atividades domésticas, manter a organização em seus objetos pessoais e outras coisas que querem passar para a criança. Liderar pelo exemplo, nesse caso, é a melhor forma. Envolva toda a família na missão de manter o ambiente mais organizado. Se todos colaboram, a criança se sente mais motivada a colaborar e não cria uma situação de estresse. 

Outro ponto importante é dosar as tarefas. Para uma criança autista, tarefas curtas podem ser mais estimulantes.

Já que essas crianças têm muitas vezes dificuldade em manter o foco em uma mesma tarefa ou acabam hiperfocando em uma pequena parte dela, longas atividades levam a distrações e frustração. Para uma criança, principalmente as crianças pequenas, apenas a tarefa de guardar os brinquedos de volta no armário ou então lembrar de jogar o lixo no lixo já é suficiente. Não só contribui para a melhora do aspecto do espaço, da casa ou até mesmo dos espaços que a criança frequenta, como também são tarefas curtas.

O senso de responsabilidade é desenvolvido quando a criança tem visão do efeito que suas tarefas fazem. Então, quando ela consegue enxergar de forma rápida a diferença que a organização faz, ela se sente mais motivada a praticar esse hábito

 

Hábitos escolares para pessoa com TEA

 

A mesma estrutura pode ser aplicada em ambientes escolares, quando o educador coloca como parte da didática. Isso faz com que todas as crianças consigam entender a importância e o impacto de pequenas mudanças de hábitos no dia a dia. A criança se sente pronta para ajudar nas tarefas. Mas se as tarefas parecerem desafiadoras ou cansativas, é possível que ela perca o interesse rápido, principalmente porque crianças ainda estão desenvolvendo a maturidade necessária para abstrair pensamentos.

 

Dicas para ajudar seu filho a fazer parte da organização

 

Uma estratégia para ajudar na organização, seja no ambiente escolar, seja no ambiente de casa, é tornar as tarefas mais compreensíveis para as crianças. Se elas entenderem que essas tarefas são importantes e conseguem entender a dinâmica, conseguem fazer melhor. 

 

1- Deixe a vista que obrigações são necessárias e quais tarefas as crianças devem fazer. 

Por exemplo, colocar uma lousa na sua casa, conversando sobre os horários. Fichas coloridas, que ajudam na organização do material escolar, adesivos, imagens, listas de instruções com objetivos claros, etc. As comunicações de forma direta são muito mais efetivas ao dialogar com crianças autistas.

 

2- Escolha tarefas que não causem estresse ou hiperestimulem as crianças

Por exemplo, uma criança autista pode acabar perdendo de vista o objetivo na hora de organizar o quarto, se ela começa focar em um brinquedo em específico. Outra questão importante é evitar situações que estimulam muito o sensorial. Quando há luz ou barulhos muito fortes, várias crianças autistas respondem com irritabilidade, frustração e momentos em que se sentem paralisadas pelos estímulos. Se ela se sente à vontade no espaço, ela sente mais e a necessidade de cuidar desse espaço. E isso é fundamental para que ela desenvolva a responsabilidade.

 

3- Priorize a organização, mas não leve a sério demais

Ainda que a organização possa ajudar e muito a rotina da criança autista, é importante frisar que ela não deve tomar conta das prioridades familiares. Se a criança acaba estressada ou sobrecarregada pela necessidade de manter a organização, é porque algo não está certo. Talvez seja necessário diminuir as demandas ou reagendar cada obrigação de acordo com a resposta da criança. 

Por exemplo, se muitas atividades são organizadas para o mesmo dia, pode haver um estímulo sensorial muito forte. Se a rotina está muito rígida e não permite que a criança tenha momentos lúdicos e terapêuticos, seu desenvolvimento emocional pode ser prejudicado.

 

É importante lembrar que, acima de tudo, crianças autistas são crianças e ainda estão em fase de desenvolvimento. É importante ensiná-las que rotina torna a vida mais fácil, não mais difícil. E a melhor forma com que uma pessoa pode manter as suas coisas e sua vida organizada é sabendo qual forma de organização pode ser feita de forma constante, sem causar estresse nem prejudicar a produtividade. E isso, claro, vale desde a infância.

 

Quer saber mais sobre a importância da família para o tratamento? Leia em nosso blog.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *