Blog

Quais são as causas do autismo?

Quais são as causas do autismo?

 

O Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) é um transtorno do neurodesenvolvimento caracterizado por déficits na interação social e na comunicação, interesses restritos e movimentos repetitivos, mas que diferem em seu curso de desenvolvimento, sintomas, linguagem e habilidades cognitivas. Normalmente, a condição é diagnosticada aos três ou quatro anos de idade, embora os primeiros sintomas apareçam antes disso.

“Sabe-se que uma para 59 crianças americanas têm diagnóstico de TEA. No Brasil, não existem dados semelhantes, mas, usando a estimativa da Organização Mundial da Saúde (OMS) de que 1% da população mundial tem autismo, dessa forma, podemos estimar que existam mais de 2 milhões de autistas no país, ou melhor, mais de 2 milhões de famílias que são impactadas pelo autismo no Brasil”, detalha Graciela Pignatari, doutora em biologia molecular e diretora executiva da Tismoo, startup que usa sequenciamento genético para entender e tratar o transtorno no país.

 

Fatores genéticos estão associados ao TEA

Segundo Pignatari, o autismo é um é um transtorno multifatorial que envolve fatores genéticos e ambientais que atuam em diferentes combinações. Ela explica que “até 2017, o risco genético estimado para o TEA estava entre 70% a 90% com herdabilidade, variando de 80 a 83%, enquanto que os riscos ambientais eram bem baixos em termos relativos”.

Entretanto, um estudo publicado pelo JAMA Psychiatry, em 2019, afirmou que o  risco do autismo é majoritariamente  genético e em torno de  97%  com herdabilidade de 81% , conferindo  apenas 1% a 3% aos fatores ambientais. A pesquisa foi realizada com 2 milhões de indivíduos em cinco países diferentes.

Embora a genética seja um elemento importante no desenvolvimento do autismo, ainda existe uma dificuldade na identificação dos genes que estão associados ao transtorno. Outros estudos já mostraram que o autismo não é resultado de alterações em um único gene. Isso porque modificações em cerca de 800 genes já foram associadas ao transtorno.

 

Causas também são ambientais

Entre os fatores ambientais, Graciela Pignatari ressalta que existem elementos que estão associados aos hábitos de vida dos pais da criança. “Entre os riscos mais relevantes estão: a idade paterna seguida da idade materna, a exposição de agentes intrauterinos, como drogas (ácido valproico), infecções, doenças autoimunes, baixo peso ao nascer, hipertensão e obesidade antes ou durante a gestação”, conta.

A doutora aponta, também, os fatores que não são risco para o TEA. Há alguns anos, notícias falsas passaram a circular nas redes sociais afirmando que a vacinação, por exemplo, era uma das causas. Mas isso não é verdade.

“A vacinação não é um fator de risco para o TEA, como também toxinas, poluentes, compostos químicos, desnutrição, alimentação, vitaminas, ácido fólico, estresse, amamentação e depressão pós-parto”, finaliza

Este conteúdo foi útil para você? Leia também sobre como identificar os sintomas do autismo. Acompanhe nosso blog para saber mais sobre o assunto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *