Blog

Método TEACCH e a inclusão escolar de crianças autistas

metodo-teacch-e-a-inclusao-escolar-de-criancas-autistas

 

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) conta com diferentes sintomas, que podem variar de intensidade e se manifestar de forma única em cada pessoa. Dentre as características mais comuns do autismo estão a dificuldade de comunicação, dificuldade de interação social, comportamentos repetitivos e restritos.

O ambiente escolar pode ser um grande aliado no tratamento e desenvolvimento de pessoas no espectro, tendo acesso garantido por lei. Mas, além da matrícula, muitas famílias enfrentam barreiras com o processo de inclusão dos filhos nas escolas. Sejam públicas ou privadas, regulares ou especiais, muitas delas estão despreparadas nos âmbitos pedagógico, social, emocional e/ou arquitetônico para receber pessoas com algum tipo de deficiência.

Portanto, estruturar uma escola inclusiva pode ser um grande desafio. Visando facilitar esse processo e promover um ambiente adequado para receber os alunos com TEA, é possível adotar um método com bases científicas que já é utilizado no tratamento de autistas, o TEACCH.

 

Conheça o método TEACCH

 

Criado em 1966 pelo doutor Eric Schopler, no Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina na Universidade da Carolina do Norte, o TEACCH é uma sigla para Treatment and Education of Autistic and Related Communication Handicapped Children, que em português significa Tratamento e Educação para Autistas e Crianças com Déficits Relacionados com a Comunicação.

Fundamentado na psicologia comportamental e na psicolinguística, seu objetivo é auxiliar pessoas com o Transtorno do Espectro Autista a adquirir independência, desenvolvimento de novas habilidades, autonomia e uma maior compreensão do mundo ao redor.

O TEACCH se destaca por promover o aprendizado a partir da valorização das capacidades cognitivas de cada pessoa. Além disso, o método se baseia na adaptação dos ambientes para facilitar a compreensão do que é esperado em cada um deles, fomentando novos aprendizados em casa, na escola, no trabalho ou em outros ambientes.

Viviane de Leon, terapeuta ocupacional, psicopedagoga, Mestre e Doutora em Psicologia do Desenvolvimento, afirma que o “TEACCH é uma frameware, ou seja, uma estrutura, uma base, uma forma de ensinar à pessoa com TEA a funcionar no mundo com mais entendimento”.

 

Como aplicar o tratamento nas escolas

 

A aplicação do TEACCH é feita de forma individualizada, respeitando as particularidades e a maneira como cada aluno aprende. O processo se inicia após conversas com a família e algumas avaliações para entender aspectos como: comportamento, potencialidades cognitivas, análise de interesses, principais necessidades, habilidades mais e menos desenvolvidas e níveis de compreensão.

Saiba como a Anamnese Pedagógica do Jade Edu pode te ajudar nesse processo de avaliação dos alunos clicando AQUI!

Após essas avaliações, é desenvolvido um programa personalizado que vai de encontro às necessidades da criança, seu potencial e sua forma de adquirir novos conhecimentos. Mas, para que a aplicação deste plano seja feita de forma eficiente, é preciso o suporte da família. Além disso, é essencial que todo o corpo docente esteja capacitado, conheça o método e as particularidades dos alunos com TEA.

De forma geral, os programas personalizados propõem que os ensinamentos de novas habilidades sejam comunicados de forma estruturada. Isto é, separados em pequenas etapas ou tarefas, cada uma com um tempo preestabelecido. Essa organização, que pode ser feita com o apoio de suportes visuais, promove maior compreensão, previsibilidade e foco na captação da mensagem.

Essa prática psicopedagógica propõe algumas adaptações que podem ser feitas no ambiente escolar que ajudarão a acolher e desenvolver pessoas com autismo. Seguem alguns exemplos:

 

  • Desenvolvimento de um plano de ensino individualizado, conforme as necessidades específicas de cada aluno
  • Adequação das atividades propostas ao nível de desenvolvimento do aluno e aos seus interesses
  • Uso de sistemas de trabalho, murais ou agendas para planejamento da rotina (painel na sala de aula contendo a programação diária, por exemplo)
  • Capacitação dos professores e colaboradores da escola
  • Uso de suportes visuais para facilitar a comunicação, ajudando a criança a compreender melhor as mensagens e, também, a se expressar
  • Atividades separadas em etapas, deixando sempre claro o que se espera do aluno em cada uma delas
  • Aprendizagem explícita (evitar o uso de metáforas e figuras de linguagem)
  • Atenção direcionada para informações importantes
  • Adaptação e organização do ambiente escolar, dentro e fora de sala

 

Além da organização da rotina e das tarefas, a adequação dos espaços físicos é uma das bases do TEACCH. Afinal, um ambiente organizado deixa mais compreensível o que se espera da criança em cada ambiente e facilita a aprendizagem.

 

Estruturando um ambiente escolar inclusivo para autistas

 

Muitas escolas regulares não contam com uma infraestrutura apropriada para receber crianças no espectro. Normalmente são ambientes com muitos estímulos, com excesso de cores, barulhos e informações. Isso faz com que os autistas se distraiam facilmente e fiquem mais agitados. Em alguns casos, o excesso de estímulos sonoros ou visuais podem fazer com que a permanência na escola seja uma tarefa quase impossível para o aluno.

Uma sala de aula organizada, com estímulos sensoriais controlados e espaços delimitados com diferentes fins é essencial para proporcionar previsibilidade e evitar distrações. No livro “Vejo e Aprendo – Fundamentos do Programa TEACCH”, as autoras Maria Elisa Granchi Fonseca e Juliana de Cássia Baptistella Ciola afirmam que:

O TEACCH é um modelo de intervenção que por meio de uma “estrutura externa”, organização de espaço, materiais e atividades, permite criar mentalmente “estruturas internas” que devem ser transformadas pela própria criança em estratégias e, mais tarde, automatizadas de modo a funcionar fora da sala de aula em ambientes menos estruturados.

Pensando nisso, o método TEACCH propõe que a sala de aula seja organizada em quatro cenários (settings) de trabalho:

 

  • Cenário de trabalho individual: local onde o aluno irá aprender novas habilidades com seus professores
  • Cenário de trabalho independente: espaço para colocar os novos aprendizados em prática, sem o apoio dos professores
  • Cenário de relaxamento: local de descompressão, sensorialmente neutro
  • Cenário de transição: local onde o aluno pode ter acesso ao painel contendo a rotina diária

 

Com a criação de ambientes estruturados, o aluno autista conseguirá compreender melhor o que precisa fazer em cada um deles, terá menos estímulos sensoriais e mais foco no processo de aprendizagem. Além disso, esses espaços estimulam a autonomia e a independência, ajudam a regular o comportamento da criança e fazem com que ela necessite do professor apenas para o aprendizado. Tudo isso, será essencial para que o aluno com TEA seja incluído e se adapte bem à rotina escolar.

 

Conclusão

Segundo Eric Schopler, as crianças, “à medida que vão se desenvolvendo, vão aprendendo a estruturar seu ambiente, enquanto que os autistas e com distúrbios difusos do desenvolvimento precisam de uma estrutura externa para otimizar uma situação de aprendizagem”.

Com tudo isso, podemos concluir que o método TEACCH no ambiente escolar pode ser um grande aliado para a criação dessa estrutura externa. Isso facilita a aprendizagem e inclusão de crianças autistas na escola, além de proporcionar uma maior autonomia, independência e desenvolvimento intelectual.

Lembre-se: para que essa prática pedagógica alcance os objetivos propostos, é essencial a colaboração entre escola e a família, a aplicação de forma constante e a capacitação do corpo docente.

 

5 comentários

    • Estamos preparando alguns cursos e materiais de ensino sobre essa metodologia e ensino inclusivo que serão lançados em breve. Assine gratuitamente nossa newsletter para ser avisada do lançamento.

  • Bom dia! Gostaria de saber como posso ter acesso a Anamnese Pedagógica do Jade Edu. Tentei clicar no texto abaixo e não tive sucesso.

    Saiba como a Anamnese Pedagógica do Jade Edu pode te ajudar nesse processo de avaliação dos alunos clicando AQUI!

    Muito obrigada. Simone

    • Olá, Simone.
      Tudo bem?
      Neste momento a anamnese pedagógica está disponível apenas para as escolas que têm implementado o Jade Edu. Em breve, disponibilizaremos para os demais profissionais. Assine gratuitamente nossa newsletter para ser avisada e receber toda semana matérias sobre o ensino de crianças autistas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.