Blog

Greta Thunberg: a jovem autista que quer mudar o mundo

Conheça Greta Thunberg, jovem com sindrome de asperger conhecida pelo seu ativismo

Se você acompanha o noticiário, certamente já deve ter ouvido falar de Greta Thunberg. A garota de 16 anos ganhou destaque na mídia mundial devido às suas manifestações a favor da preservação ambiental.

No fim de setembro, Greta  participou da Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas (ONU). No evento, realizou um discurso que circulou em diversos veículos de comunicação e em redes sociais.

A Síndrome de Asperger

Aos 11 anos, Greta foi diagnosticada com Síndrome de Aspeger, uma das variações presentes no Transtorno do Espectro Autista (TEA). Uma das características do Aspeger é o interesse intenso e focado por assuntos que chamam a atenção das pessoas com a síndrome. Em diversas entrevistas e em declarações em suas redes sociais, Greta afirmou que a condição é o que direciona o seu modo de agir e interpretar o mundo.

“Eu tenho Asperger e isso significa que, às vezes, eu sou um pouquinho diferente da norma. E dadas as circunstâncias, ser diferente é um superpoder”, a garota escreveu em seu Twitter. A declaração foi feita após Greta receber algumas críticas por falar mais abertamente de seu diagnóstico.

Ainda na rede social, ela comenta que demorou a se abrir publicamente sobre a Síndrome de Asperger por saber que muitos ainda veem a situação como uma “‘doença’ ou algo negativo”, ideia com a qual ela não concorda.

Greta Thunberg, um fenômeno mundial

Greta passou a ser conhecida mundialmente após decidir faltar à escola e iniciar, sozinha, um protesto em frente ao prédio do parlamento da Suécia. Carregando um cartaz que anunciava a greve pelo clima, Greta produziu e distribuiu panfletos com informações científicas a respeito do aquecimento global.

Oito meses após o seu protesto solitário, a suas ideias se disseminaram pelo mundo. A marcha #schoolstrike4climate levou mais de 1,5 milhão de estudantes para as ruas em 20 países diferentes.

O discurso e as tentativas de deslegitimação

Desde 2018, a jovem viaja o mundo, participando de eventos e assembleias sobre o clima. No ano em que iniciou seus protestos, Greta discursou no COP24, encontro da ONU sobre mudanças climáticas, na Polônia. No início de 2019, ela participou do Fórum Econômico de Davos, na Suíça. Em ambas ocasiões, a postura e o discurso de Greta chamou a atenção de autoridades e líderes mundiais.

Muitas vezes visto como incisiva e combativa, a postura de Greta incomoda autoridades, tanto àquelas que renegam a crise ambiental, quanto pessoas que concordam com o ativismo pelo meio ambiente, mas não com a abordagem da sueca.

Greta, então, passou a ser alvos de críticas severas. Adjetivos como “retardada” e “histérica” foram alguns adjetivos usados por jornalistas e usuários de redes sociais. Na ocasião, muitos aproveitaram o diagnóstico de TEA da garota para deslegitimar seu ativismo.

Sobre a sua condição, Greta declarou à CNN: “Meu diagnóstico definitivamente me ajudou a me manter focada [nas causas ambientais]”. Além disso, com as suas manifestações, a garota também consegue se colocar e até mesmo se conectar com o mundo exterior, algo que anteriormente era extremamente difícil para ela. Isso porque a dificuldade na interação social é comum para pessoas que possuem a Síndrome de Asperger.

Se você quer saber mais sobre a Síndrome de Asperger e o TEA, confira o nosso blog. Nele, você fica por dentro de nossas notícias e novidades!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *