Acreditamos que a inovação, por meio da tecnologia, pode mudar profundamente a vida das pessoas, especialmente aquelas que mais precisam. Pensando nisso, com o auxílio de terapeutas e profissionais especialistas no tratamento do Transtorno do Espectro Autista (TEA), desenvolvemos o Jade Autism: aplicativo baseado em jogos de associação de cores, números, letras, bichos e objetos.

Os jogos, recomendados para crianças e adolescentes de 2 a 14 anos, incentivam o desenvolvimento de habilidades cognitivas. Além disso, ajudam na resolução de problemas, na utilização de pensamentos estratégicos e na tomada de decisão. À medida que o paciente usa o app, métricas de prognóstico são geradas automaticamente para o terapeuta, garantindo um tratamento mais eficaz.

Dentre as várias habilidades trabalhadas no Jade Autism, a flexibilidade mental é uma delas. Por isso, preparamos este conteúdo para trazer clareza sobre esse conceito.

 

O que é flexibilidade mental

 

A flexibilidade mental é um componente das funções executivas, processos cognitivos superiores que nos auxiliam a combinar os pensamentos e as ações. Essa flexibilidade tem a ver com a aptidão para mudar de pensamentos, ter novas ideias e gerar soluções alternativas, reconhecendo haver várias respostas ou soluções para a mesma questão.

A flexibilidade cognitiva proporciona a capacidade de adaptar suas escolhas aos imprevistos, de mudar de opinião e encontrar soluções criativas para um problema. Se refere à habilidade de alterar o pensamento, seu próprio ponto de vista e o do outro, além de modificar a ação ou estratégia utilizada para resolução em função das situações, acontecimentos ou experiências do ambiente (Gillet, 2014).

Segundo John J. Ratey, neuropsiquiatra e autor do livro Corpo ativo, mente desperta, “a flexibilidade cognitiva é uma função executiva importante que reflete nossa capacidade de mudar o pensamento e produzir um fluxo constante de pensamentos e respostas criativas, em oposição a uma regurgitação das respostas usuais.”

 

Como isso influencia a vida de crianças com autismo

 

Flexibilidade cognitiva, segundo autores como Dias e Seabra (2013) e Rodrigues e Teodolina (2019), é uma das funções essenciais que apresentam prejuízos em crianças com TEA, que por sua vez, juntamente com a memória de trabalho e o controle inibitório, possibilitam a resolução de problemas e tomada de decisão. Isso resulta em resistência a mudanças, dificuldade em interações sociais, pensamentos inflexíveis e dificuldade em lidar com imprevistos.

Por terem uma resistência natural ao novo, muitas pessoas com autismo gostam de manter uma rotina rígida e organizada, gostam de brincar do mesmo jeito, com os mesmos objetos e conversar sobre os mesmos temas. Essa dificuldade para variar o repertório comportamental pode influenciar em diferentes aspectos da vida, que se torna cada vez mais complexa e com novos desafios. Por isso, é essencial que pessoas no espectro desenvolvam essa habilidade.

 

Como essa habilidade é desenvolvida no app do Jade

 

A flexibilidade mental é uma habilidade, que assim como todas as outras, pode ser treinada e, consequentemente, potencializada. E esse é um dos objetivos dos jogos do Jade Autism. Confira abaixo exemplos de como isso é trabalhado dentro do aplicativo:

 

 

Na categoria de números realiza-se treino de flexibilidade cognitiva através da contagem e leitura de números. Por serem apresentados maneiras distintas, isso exige que a criança realize um esforço atencional maior.

 

 

Há também as atividades onde é necessário alternar entre a contagem e a leitura de números, realizando um movimento que chamamos de alternância. Dessa forma, no JADE, o indivíduo deve intercalar entre duas operações, realizando um esforço adicional de ler conscientemente os números arábicos, e no elemento seguinte, retornar a uma regra de contar a quantidade de figuras.

 

Outras atividades que ajudam a desenvolver a flexibilidade mental

 

Além do aplicativo do Jade Autism, existem atividades que também podem ajudar a desenvolver a flexibilidade cognitiva. Confira algumas sugestões abaixo:

Praticar exercícios físicos e incluir alguns alimentos específicos na dieta: a serotonina é um hormônio que pode ajudar a diminuir a rigidez mental. Sua produção pode ser estimulada por meio da prática de exercícios físicos e do consumo de alguns alimentos como ovos, sementes, frutas, grão-de-bico, entre outros.

Aprender a tocar algum instrumento musical ou fazer parte de um coral

Ler livros: excelente opção que ajuda a adquirir conhecimento, perceber diferentes formas de enxergar o mundo e promove um grande estímulo à criatividade

Momentos de descompressão e de dedicação a algum hobby

Sair da zona de conforto: pessoas com TEA precisam de previsibilidade e rotina, mas é importante estimulá-las a saírem da zona de conforto e explorar novas opções. Promover simples mudanças na rotina, podem ser bons exercícios para melhorar a flexibilidade mental. Exemplo: se, pela manhã, a sua filha tem o hábito de tomar banho e depois tomar o café da manhã, incentive-a a mudar, degustando primeiro a refeição para depois tomar banho.

 

Jogos e brincadeiras para flexibilidade mental

 

Brincadeiras também são uma excelente forma para estimular a flexibilidade cognitiva. Confira algumas sugestões:

Jogos como Uno, Pife, dominó, Genius, cubo mágico, Qwirkle, Blink, caça tesouros, Tetris, Ludo, Cara a Cara, poker e Tangram

Quebra cabeça, labirinto, palavras-cruzadas, sudoku e livros de adivinhação

Jogos de carta em que é necessário fazer combinações por número, cor ou tipo (copas, espadas, ouros e paus)

Brincadeiras com música, ritmo e palmas, como Adoleta

Jogos de correspondência com combinação de regras (como combinar uma cor com uma forma)

Qualquer jogo de mesa onde é necessário criar uma estratégia com vários passos

Jogos e brincadeiras em que as regras do jogo mudam a cada rodada, como O Mestre Mandou. Isso ajuda na compreensão de que as normas podem mudar, que eles precisam se adaptar rapidamente e encontrar diferentes maneiras para resolver um problema

Jogos de lógica e raciocínio

 

Benefícios de trabalhar a flexibilidade mental

 

O aumento da flexibilidade mental traz ganhos de habilidades para pessoas típicas e atípicas. Confira alguns desses benefícios:

  • Maior facilidade de adaptação diante de mudanças repentinas e situações adversas
  • Mais paciência, persistência e resiliência em situações difíceis ou negativas
  • Melhor desempenho em tarefas escolares, de trabalho ou da vida cotidiana
  • Aumento da tolerância ao erro
  • Desenvolvimento de novas habilidades e de novos comportamentos
  • Melhoria na comunicação, interação social e aumento da empatia

 

Conheça o Jade Autism

Clique aqui para saber mais sobre o Jade Autism e baixar o aplicativo gratuitamente!

 

Leia também:

 

 

Referências:

Dias, N. M., & Seabra, A. G. (2013). Programa de intervenção sobre a autorregulação e funções executivas – PIAFEx. São Paulo: Memnon.

Rodrigues, K., & Teodolina, P. (2019). Avaliando a cognição de um adolescente com Transtorno do Espectro Autista não-verbal–um relato de experiência. Trabalho de conclusão de curso de pós-graduação lato sensu. Disponível em: Clique aqui

Gillet, P. (2014). Neuropsicologia do autismo na criança. Lisboa: Edições Piaget.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *