O autismo é uma condição que pode atingir crianças em todas as idades, resultando em problemas de socialização, aprendizagem e convívio com familiares, amigos e conhecidos.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que uma em cada 160 crianças sofram com o transtorno do espectro autista (TEA). As causas são diversas, incluindo fatores ambientais e genéticos.

Diante dos sintomas do autismo, uma das principais dificuldades é promover a integração das crianças no ambiente escolar, já que, muitas vezes, o problema de comunicação é um dos mais recorrentes nos indivíduos com TEA.

No artigo de hoje, separamos algumas dicas de como incentivar crianças com autismo nas atividades escolares, mas sem esquecer de que cada pessoa é única e nem sempre o que irá servir para um aluno terá eficácia com outro.

 

6 maneiras de incentivar as crianças autistas na escola

 

A linguagem receptiva (compreensão das mensagens ouvidas) é uma das características principais do autismo.

Isso significa que o aluno tem dificuldades de compreender o que o professor deseja ensinar, o que pode desencadear um comportamento agressivo ou uma apatia (falta de interatividade).

Por isso, separamos algumas atividades que podem ajudar nas atividades escolares para crianças com espectro autista.

 

1 – Comece com os estímulos

Em primeiro lugar, é importante dizer que a criança autista deve receber estímulos para interagir de maneira satisfatória. Além do mais, todas as atividades devem ser feitas com empolgação e cuidado, para que os alunos se sintam queridos naquele ambiente.

Para os estímulos, verifique quais são os interesses e motivações da criança. A partir disso, é possível saber qual é a “ação motivadora”, ou seja, a atividade que será responsável por incitar a interação e o desenvolvimento do aluno.

 

2 – Use a comunicação visual

A explicação dos conteúdos pode ser feita com a ajuda de elementos visuais, como adesivos personalizados, quadros, ilustrações e desenhos.

Esses recursos facilitam a aprendizagem da criança, já que é possível demonstrar o que está sendo dito.

 

3 – Organize a sala de aula

A disposição física da sala de aula é um fator a ser considerado quando se planeja uma aprendizagem para crianças com espectro autista.

Os autistas têm dificuldade em reconhecer e respeitar regras e limites. Por conta disso, eles não sabem como chegar a algum lugar pelo caminho mais fácil.

Diante disso, a organização do ambiente deve ser pensada da forma mais otimizada possível, com “pistas” visuais para que as crianças saibam identificar que aquilo é uma fechadura eletroímã, uma porta, uma cadeira, etc.

 

4 – Respeite o tempo da criança

As crianças autistas costumam demorar um tempo maior para guardar objetos ou fazer alguma atividade. Isso deve ser respeitado e, para conquistar a empatia deles, os professores podem acompanhar essa atitude no ritmo de cada um.

Por exemplo, em uma tarefa simples de separação de lixo, para que os alunos aprendam mais sobre o gerenciamento de resíduos, não apresse o aluno com espectro autista, mas sim, tente fazer junto com ele.

 

5 – Proponha atividades lúdicas

As atividades lúdicas são recomendadas para todas as crianças, mas têm um peso maior quando se trata de alunos com espectro autista.

É uma forma de “aprender brincando” e, nesse sentido, é possível incentivar a comunicação com a criança, mesmo que através de elementos visuais.

Algumas propostas de atividades são:

 

  • Dados divertidos para despertar a atenção;
  • Músicas e conteúdos audiovisuais;
  • Quadros visuais de comunicação;
  • Organização das formas geométricas.

 

Hoje em dia, é possível encontrar diversas brincadeiras, incluindo jogos tecnológicos, que utilizam dispositivos de controle, feitos justamente para crianças autistas.

 

6 – Dê informações claras com palavras fáceis

É necessário evitar enunciados muito longos e o uso de palavras abstratas. Sendo assim, ao invés de fazer perguntas abertas, ofereça alternativas para o aluno, para estimular que ele faça escolhas.

Lembre-se de usar a comunicação visual como ponto-chave para a interação com a criança, bem como demais estímulos que facilitem a compreensão do aluno.

 

Conclusão

 

Saber como se planejar para oferecer um espaço de acolhimento à criança com transtorno do espectro autista é uma das maneiras de incentivar a participação desse aluno nas atividades escolares e, assim, contribuir para o desenvolvimento do indivíduo.

De início, pode parecer complicado, por esse motivo, é importante que os professores estejam devidamente preparados para lidar com o ensino e aprendizagem de crianças autistas, promovendo um ambiente de empatia, respeito e carinho.

 

Leia também:

 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

 

Aplicativo para desenvolvimento cognitivo de crianças autistas

software-terapeutico-jade-autism-tea-psicologos-terapeutas-fonodiologos

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *