fbpx

Blog

Autocuidado: importante para criança com autismo e suas famílias

autocuidado-e-autismo

 

Para familiares, pais e outros responsáveis por crianças autistas, uma das habilidades fundamentais pode ser difícil de ensinar para elas: a importância do autocuidado e da higiene pessoal.

Essas habilidades são importantes desde a infância, mas vão perdendo espaço durante a vida para criança, isso porque entre as demandas terapêuticas, escolares e psicossociais nem sempre ela tem o tempo e a energia necessárias para garantir um bom estar pessoal.

Essas ferramentas são muito importantes para a vida, não importa a idade. A família e as próprias crianças devem desenvolver uma rotina de autocuidado, manutenção da saúde e rotina de higiene pessoal, incluindo até atividades que valorizem o bem-estar e a qualidade de vida.

 

O autocuidado e rotina desde cedo

 

Quando a criança, seja ela autista ou neurotípica, aprende isso desde cedo, ela enraíza para o resto da vida hábitos como comer comida de qualidade, escovar os dentes, tomar banho, manter os próprios objetos arrumados, tirar um momento para refletir e muitas outras coisas que são essenciais na vida em qualquer idade. Então se as famílias valorizam esse tipo de ensinamento desde o início, elas contribuem para que a criança os normalize tornando-os parte do seu dia a dia.

Por exemplo, na hora de montar uma rotina adequada para uma criança com tea, garanta que haja um tempo exclusivo para essas atividades. Sem pressão, assim a criança enxerga esse momento como um respiro entre as atividades do dia a dia e pode trazer mais bem-estar e calma. No caso das crianças autistas, elas não se sentem estimuladas demais e conseguem se manter emocionalmente estáveis.

Da mesma forma, muitas vezes as crianças estão sobrecarregadas por fatores sensoriais causados pelo autismo e também pela rotina escolar. Muitas vezes essas crianças não têm tempo de relaxar, isso leva a problemas de saúde mental: a criança pode acabar ansiosa, estressada e isso desencadeia reações de irritabilidade e impaciência relacionadas ao autismo.

 

A importância do diálogo familiar

 

Se ela valoriza situações de desmantelamento do estresse isso pode fazer com que ela tenha uma relação mais saudável consigo mesma. Uma estratégia pode ser valorizar então o diálogo sobre saúde, mesmo que a criança não saiba verbalizar. Se a família tem abertura para conversas sobre ansiedade e estresse, ela normaliza esse questionamento.

É importante que a família também valorize os momentos de relaxamento: atividades lúdicas, um tempo para curtir os hobbies, para socializar, para ficar sozinho. Tudo isso é muito importante para que a criança desenvolva uma relação saudável com a própria rotina.  Ensinar os filhos desde que é importante criar momentos para relaxar é ajudá-los a valorizar a própria saúde mental.

Para crianças autistas, por conta dos déficits causados pelo autismo, esses ensinamentos são fundamentais. Por isso, temos algumas dicas de como inserir autocuidado na rotina:

 

1 – Cuide do corpo

Higiene e cuidados pessoais também são uma forma de valorizar sua saúde. Explique que mesmo atividades que possam parecer entediantes, como escovar os dentes, lavar as mãos e banhos diários são formas de nos tornarmos mais conscientes e agentes mais ativos de nossa própria saúde. 

 

2 – Pratique atividades físicas

 As crianças autistas nem sempre tem facilidade com coordenação motora e esportes. Mesmo assim, é importante que elas tenham alguma forma de atividade, ainda que não seja competitiva nem intensa. Os esportes coletivos criam um senso de confiança e determinação que ajuda as crianças a desenvolverem habilidades motoras.

Esse incentivo pode contribuir para que ela desenvolva uma relação saudável com exercício, enxergando-o não como obrigação mas sim diversão. Além de gastar energia, ainda ajuda a liberar hormônios que trazem calma e felicidade. As relações formadas pelo esporte podem se tornar laços de amizade, importantes para qualquer criança.

 

3- Saúde mental também é saúde

Mesmo as crianças que realizam acompanhamento por conta dos déficits do autismo nem sempre entendem a relação terapeuta-paciente. Muitas vezes essa relação é pautada pelo autismo em si, mas, na verdade, muitos outros benefícios surgem do tratamento psicológico.

É importante então que a criança entenda que o acompanhamento psicológico é uma forma de nos conectarmos com nós mesmos e criar hábitos saudáveis. Falar sobre o seu estresse e qualquer questão de saúde mental é para toda a vida.

Inclusive uma das formas essenciais de trazer esse conhecimento para criança é que os próprios pais e familiares também busquem atendimento terapêutico.  Esse autocuidado dos pais é repassado para criança, também ensina que é possível sim cuidar do emocional para ter uma saúde mais estável e desestigmatiza a terapia. 

Também é importante valorizar os momentos positivos. Ainda que a rotina de uma família possa ser muito corrida, é importante que todos saibam relaxar. Muitas vezes por conta da carga de estudos e de atendimentos terapêuticos, a criança não tem tempo, mas isso é muito importante para o desenvolvimento dela.

 

 As habilidades cognitivas também se desenvolvem durante o lazer: brincadeiras, encontros com os amigos e momentos lúdicos não só mantém a saúde mental da criança em dia, como também a ajudam a desenvolver bem-estar emocional, autonomia e autoestima.

Saiba mais sobre brincadeiras para crianças autistas!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *